Torcer pelo outro time.

De vez em quando Joe me pergunta: Ieda, para que time você está torcendo? E eu fico ali parada, com um ar de quem não entendeu muito mas sabe perfeitamente sobre o que ele está falando.
Ele força que eu veja, às vezes, o que a displicência não me permite ver.
Além de olhar, sinto que ver é algo que me obriga a ir mais a fundo.
Obrigada, Joe, pelas dicas. Você tem me ajudado a ampliar a visão! E quanto enriquece a minha vida!
Estamos em plena Copa do Mundo. Países se encontram competindo entre si por uma estatueta muito bonitinha. Dizem que de ouro. Não sei.
Onde este campeonato se instala modifica tudo: a infra-estrutura do país onde acontece é alterada, modificada, melhorada. A Alemanha, neste episódio, montou uma superestrutura para atender aos milhares e milhares de visitantes daquele país nestes dias. Várias cidades e estados alemães entraram no clima de turismo intenso e organizaram – além dos eventos relacionados à própria Copa, um sem número de shows, atrações de toda a sorte.
A visualização do hospedeiro é muito boa.
Mas penso que o destaque do vencedor é sobremaneira importante.
No último jogo em que o Brasil competiu com o Ghana eu torci pelo outro. Mas não precisa sair por aí falando pra todo mundo porque isso é segredo! Até que eu falo para as pessoas, mas pessoalmente é mais fácil para me explicar.
Entendam: Ghana é um país pequeno e pobre da África. Não tem nenhuma expressão mundial e ficou independente da Inglaterra há apenas 50 anos. Seus jogadores são negros. Mundialmente desconhecidos.
Se Ghana ganhasse estaríamos forçados a, no mínimo, conhecer mais daquele lugar. Conhecer seu povo, seus problemas, suas dificuldades e, quem sabe, desejaríamos ir lá aquecer o turismo e gastar nosso dinheirinho mundial no país vencedor da Copa do Mundo de 2006.
Pensem!
Minha opção é pelos oprimidos e empobrecidos do/no mundo.
Além disso, voltando logo para casa sem a vitória nas mãos viríamos da mídia algo mais do que informações particulares e minuciosas sobre os jogos, os jogadores e outras amenidades.
Entendeu?
Será que todos os nossos problemas se reduzem ao tornozelo de Fulano ou Cicrano?
Agora estou torcendo pelo Portugal.
Ou Ucrânia.
São Europeus, sim. O primeiro foi nosso colonizador e nos quebrou desde o início mas já está perdoado.
A Ucrãnia merece esta ventura.

(Hoy la Alemania venció la Argentina. !Qué lastima! Perdónenme, mis hermanos, ustedes no son tan buenos sudamericanos… Rs.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.