O nada.

Em dias difíceis

Se busca paz e descanso.

Algum alívio para a alma

Para o corpo

A gente quer colo

Acalento

Alguém com abraço sincero

Presença silenciosa

Um apoio, um ombro

Uma mão para segurar.

Em dias difíceis

A gente insiste em não se esconder

Não entregar os pontos

Olhar bem firme

Pra ninguém perceber

Que as águas são turvas

E o orgulho de quem tinha certeza

Do caminho que optou

Feriu-se… quebrou…

Falaram que viver é fácil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.