Al otro lado del río

Minha leitura:

Embora nem tudo seja ou esteja do jeitinho que desejo ainda há esperança.
Basta olhar além. Talvez sair de mim mesma.
Acreditar.
Não, porém, com uma ingenuidade que me amarre
Me imponha silêncio. Me limite.
“Acreditar na existência dourada do sol mesmo que em plena boca nos bata o açoite contínuo da boca” como
diriam Aldir Blanc e João Bosco.
Todavia essa só poderá ser minha postura diária se estiver carregada de ação (Tantas vezes quantas vezes retornei a este texto para corrigi-lo, complementá-lo. Para tratar de sua estética).
Porque apenas pensar sobre as desigualdades e sofrimentos é pouco para quem se compreende ator da vida.
E todos nós precisamos pensar assim: Eu penso. Eu ajo. Eu mudo. Eu faço.
Eu posso.
Mas isso tudo fica no terreno do agir-pensar-agir.
Como Paulo Freire gosta.
E remo…

Al Otro Lado Del Río
Jorge Drexler

Clavo mi remo en el agua
Llevo tu remo en el mío
Creo que he visto una luz
al otro lado del río

El día le irá pudiendo
poco a poco al frío
Creo que he visto una luz
al otro lado del río

Sobre todo creo que
no todo está perdido
Tanta lágrima, tanta lágrima
y yo, soy un vaso vacío

Oigo una voz que me llama
casi un suspiro
Rema, rema, rema-a
Rema, rema, rema-a

En esta orilla del mundo
lo que no es presa es baldío
Creo que he visto una luz
al otro lado del río

Yo muy serio voy remando
muy adentro sonrío
Creo que he visto una luz
al otro lado del río

Sobre todo creo que
no todo está perdido
Tanta lágrima, tanta lágrima
y yo, soy un vaso vacío

Oigo una voz que me llama
casi un suspiro
Rema, rema, rema-a
Rema, rema, rema-a

Clavo mi remo en el agua
Llevo tu remo en el mío
creo que he visto una luz
al otro lado del río

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.